Som da Concha aposta em pop rock com Surfistas de Trem e Begèt de Lucena

Campo Grande (MS) – Com sonoridades que singram pelos mares do pop-rock, a banda Surfistas de Trem e o músico Begèt de Lucena são as atrações deste domingo (11 de novembro) do projeto Som da Concha, da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul. O evento começa às 18 horas na Concha Acústica Helena Meirelles, no Parque das Nações Indígenas. E a entrada, como sempre, é franca.

Com uma performance única, marcada por sua voz grave e doce e pelo perfil teatral de suas apresentações, Begèt de Lucena faz no Som da Concha o pré-lançamento do seu primeiro álbum de estúdio: Cigano Invém.

Pernambucano de Exú que escolheu Campo Grande como sua terra, Begèt acrescenta à música sul-mato-grossense sua poesia e seu talento e sobretudo, sua percepção antenada com o moderno e com o contemporâneo, mas sem perder suas referências, suas raízes.

Esse jovem artista, que aos onze anos aprendeu a tocar violão e cantar em corais da igreja e aos quinze compôs sua primeira canção, vem desde 2008 dedicando-se à música, cantando em vários palcos da capital e participando de projetos com os mais diversos músicos e produtores. Sempre imprimindo sensibilidade estética, sua marca tão peculiar, ao transformar o palco em uma extensão de si mesmo.

Quem abre os trabalhos neste domingo é a banda Surfistas de Trem, que celebra 10 anos de estrada. Sempre buscando exaltar a cultura da fronteira, o grupo criado em Ponta Porã já se apresentou em grandes palcos, como o do MS Canta Brasil, do próprio Som da Concha e de festivais pelo Estado.

O álbum “Moderna Música da Fronteira”, gravado em 2014 em Campo Grande, é a base de sua apresentação. Gravado com recursos do Fundo de Investimentos Culturais, é o marco de uma banda independente que busca exaltar sua cultura, cotidiano e peculiaridades.

Acervo Pessoal

Som da Concha

O projeto da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS) acontece periodicamente aos domingos, sempre às 18 horas, na Concha Acústica Helena Meirelles, no Parque das Nações Indígenas.

Além dos shows, o Som da Concha conta com o espaço Território Criativo, uma feira onde empreendedores criativos divulgam e comercializam seus produtos de diversas matrizes que movimenta a economia criativa e impulsiona o empreendedorismo da Capital.