Conceição dos Bugres é homenageada na 10ª Semana do Artesão

Campo Grande (MS) – A noite foi de festa e muitas homenagens aos artesãos do Estado. Conceição dos Bugres foi a grande estrela desta 10ª Semana do Artesão, que foi realizada no Sesc Morada dos  Baís. A Fenarte (Federação das Associações Cooperativas e Núcleos de Produção de Artesãos de MS) entregou ao secretário de Cultura, Athayde Nery, documento solicitando dar entrada do modo de fazer dos Bugres da Conceição. Se for consolidada a solicitação, os bugres de Conceição tornam-se ícones de Mato Grosso do Sul por meio do patrimônio imaterial.

Mariano Antunes Cabral Silva, o neto de Conceição e quem continuou seu trabalho, contou que os bugres surgiram devido a um sonho de Conceição. “Minha vó sonhou, levantou-se do sonho e daí pegou uma rama de mandioca e viu que parecia um bugre. Fez um rosto na rama de mandioca. Começou assim, depois ela trocou a rama pela madeira, porque aquele material ia apodrecer”.

Mariano diz que Conceição não queria que o marido Abílio fizesse os bugrinhos, nem seus filhos, e sim ele mesmo, porque desde os oito anos ficava ajudando sua vó a fazer os bugres. “Com 12, 13 anos comecei a pegar o ritmo para aprender. Do jeito que ela fazia eu dava um retoque porque tinha que encerar de novo. O olho dos bugres dela às vezes ela fazia torto, o nariz também, aí eu retocava. Quem faz com boca, nariz torto é minha mãe [Sotera Sanches da Silva]. Quando eu saí do quartel, aos 22 anos, eu comecei a fazer do meu jeito. Até minha mãe fica meio brava porque ela fazia no sistema da minha vó e eu faço mais perfeito. A Conceição fazia com madeira de qualquer galho, uma vez ela fez um bugrinho com os braços abertos e levantados. Ela misturava coisas para fazer as tintas, ela não sabia que podia comprar. Às vezes saía preto, às vezes marrom”, relembra Mariano.

As atividades da noite foram iniciadas com a palavra de Isabel Gonçalves Bezerra, da Confederação Nacional dos Artesãos: “É com muito orgulho que participo desse evento de expressão maior do artesanato desse Estado, que traduz no artesanato brasileiro uma grande representação. Esse produto [bugres de Conceição] vai fazer parte da representação do Estado, referência também para outros Estados, de buscar a essência desse artesanato em outras localidades, refletindo a grandiosidade de quem um dia criou essa peça. As entidades que estão aqui têm sentimento do dever cumprido: alguém nos compreendeu. Este momento será eternizado. Estaremos juntos sempre”.

Durante o evento foi entregue ao secretário de Cultura, Athayde Nery, cópias do DVD do documentário “Conceição dos Bugres”, do cineasta Cândido Alberto da Fonseca, que foi restaurado graças a uma emenda parlamentar de autoria do senador Waldemir Moka. O senador foi representado por sua irmã, Wanda de Brito, que desejou boa noite a todos e disse ser uma honra representar seu irmão no evento, “neste local que só tem artistas. Eu também sou artista, gosto de cantar. Cândido, gostaria de dizer que a emenda valeu a pena. Seu trabalho vai ser reconhecido nacionalmente sobre esse ícone da nossa cultura. Mais do que em prol da cultura, o senador trabalha em prol do Estado de Mato Grosso do Sul. Um beijo no coração de vocês e sucesso a todos os presentes”.

A deputada estadual Mara Caseiro cumprimentou o secretário Athayde, o diretor da Fertel, Bosco Martins, Wanda de Brito, Caciano Lima, gerente de patrimônio da FCMS, Katienka Klain, gerente de Desenvolvimento de Atividades Artesanais da FCMS e representantes da Confederação dos Artesãos. “É uma honra participar novamente desta Semana do Artesão, para ver como se faz o bugrinho e conhecer toda a história da Conceição. Este é o segundo ano de sessão solene em homenagem aos artesãos. É um projeto que faz o resgate e valorização desse trabalho. Parabenizo a todos os artesãos. Temos aqui também representantes do interior. Parabéns, Athayde, sei de sua sensibilidade de promover as maravilhas e a vocação cultural do nosso Estado. Termino convidando a todos para participar da sessão solene na Assembleia na próxima quinta-feira”.

O diretor-presidente da Fertel, TV e Rádio Educativa, Bosco Martins, disse estar feliz por voltar a esta casa homenageando os primórdios do artesanato pela Conceição dos Bugres, que foi onde tudo começou. A Fertel é parceira para fazer cultura em Mato Grosso do Sul. Athayde, tenha a nós como parceiro. A TVE passou a fazer parte da Cultura, esse é um novo tempo para todos nós. Uma boa noite”.

O cineasta Cândido da Fonseca, que realizou e restaurou o documentário de dez minutos sobre Conceição dos Bugres, afirmou que 37 anos depois de ele ter feito o filme, hoje ele faz parte da Fundação de Cultura do Estado. “Negativos, DCPs e DVDs foram doados ao MIS para poder serem distribuídos e utilizados pelo museu. Foi um trabalho muito grande convencer as pessoas que essa obra seja tombada como patrimônio imaterial. O senador Moka me deu essa ementa para poder reconstruir esse filme. Eu frequentava a casa da Conceição, que era benzedeira. O artista além de produzir, tem uma carga de energia negativa, então a Conceição me benzia e eu saía leve. Conheço a luta dos artesãos do Estado para colocar suas obras no mercado. Eu nunca ganhei um tostão com esse filme. É meu e da Conceição. A memória da Conceição está aí registrada e com cópias. É de propriedade do Estado de Mato Grosso do Sul, é de toda a população”.

Beatriz Soares falou em nome dos artesãos e pela Fenarte. “Agradeço à Mara Caseiro por nos homenagear na Assembleia Legislativa, ao Sesc e ao Athayde Nery, que vai olhar com carinho para o projeto. Nosso bugrinho é conhecido nacional e internacionalmente. Estamos preservando para a eternidade. É importante para a gente que você entre nessa luta, Athayde, que esse bugre, onde ele vá seja reconhecido como nosso, de Mato Grosso do Sul. Obrigada, Athayde, e espero você nessa luta junto com a gente”.

Logo após, iniciaram-se as homenagens. Foram homenageados o secretário de Cultura, Athayde Nery; a gerente de Desenvolvimento de Atividades Artesanais da FCMS, Katienka Klain; Valdete Mota Lemos, do Sinarte; Josefa Marques, do Centro de Artesanato de Caarapó; Maria Pereira de Lima, da Associação de Mulheres do Artesanato Juncal, de Naviraí; Luciana Brizola e Maria Zarife, artesãs; a deputada estadual Mara Caseiro; o senador Waldemir Moka, representado por sua irmã Wanda Brito; Margarida Maria Ajala Odakura; Irene Velasquez; Dirce Baniaz, Cibele de Almeida e Paulina Garcia Góes.

O secretário de Cultura, Athayde Nery, cumprimentou os artesãos “que hoje abrilhantam essa maravilhosa noite de homenagem a esse ícone que é a Conceição dos Bugres, que se junta a Lídia Baís e a Manoel de Barros nesse espaço do Sesc. Cumprimento ao Bosco Martins, da Fertel, que agora faz parte da Cultura; Wanda Brito, representando o senador Moka; nossa querida Isabel Gonçalves; a Katienka Klain; nossa gerente que é insistente, pois numa crise como essa, se não tiver uma gerente interessada que goste da área, não vai pra frente, a Leninha da nossa Praça dos Artesãos; Caciano Lima, da Gerência de Patrimônio, que faz essa constituição fundamental da Cultura com a Educação; Andreia Gomes, gerente do Sesc Cultura, que representa, Sesc e Secretaria de Cultura, uma parceria mais importante desse município, que hoje é uma realidade; Jane Arguelho; Cândido, nosso cineasta que é obstinado, resgatando a Conceição, que tem que ser enaltecida, valorizada. Cândido, que nos entrega esse importante patrimônio da nossa cidade [seu documentário]. Trago um abraço do governador Azambuja, que está em Brasília lutando pela superação da crise. É por isso que damos continuidade aos nossos projetos. Sem a cultura ninguém vive. A cultura é o que faz a diferença no Estado de Mato Grosso do Sul. Temos motivos para acreditar no futuro. Estamos fazendo 40 anos. Sabemos que queremos um Estado melhor. E nosso Estado está sendo construído por meio da cultura. Somos todos bugres. Estamos aqui porque somos pantaneiros. A cultura faz nossa identidade. Devemos sonhar e acreditar nesse sonho”.

Depois, todos foram convidados a assistir ao documentário sobre Conceição dos Bugres realizado pelo cineasta Cândido da Fonseca e também a visitar a exposição permanente da Conceição dos Bugres na Morada dos Baís. Foi servido um coquetel aos presentes e a noite se encerrou com música de Guga Borba.